OS PIONEIRISMO DO CIENTISTA LANDELL DE MOURA

 

(Otto Albuquerque)

As invenções pioneiras do cientista brasileiro Roberto Landell de Moura, no campo das comunicações eletrônica-fotônica foram, por ele jurídica e tecnicamente registradas ,numa patente nacional e três patentes no exterior. Embora haja a caducidade dos direitos dessas patentes, há dezenas de anos, elas representam marcos incontestáveis e perenes do início das telecomunicações mundiais por fonia. 0 Brasil, junto com a comunidade científica, embora adotando, oficialmente, essas invenções, na época, até o momento não reivindicou o pioneirismo nacional.

A evolução da telecomunicação eletrônica abrange, até a atualidade, três períodos: emissão por centelhamento (Oscilador de Hertz); emissão termoiônica (válvula); emissão transistorizada (transistor).

As diferenças prioritárias técnicas entre as invenções dos cientistas Guilherme Marconi e Roberto Landell de Moura, são: Marconi patenteou na Inglaterra, sob o nr 12.039-1 de 12/09/1896, somente a trasmissão-recepção eletrônica por centelhamento dos sinais telegráficos em Código Morse; Landell de Moura, já em 1894, em São Paulo, fazia experiências públicas em telegrafia e fonia, pelo mesmo sistema de Marconi, acrescido do sistema fotônico (emissão de feixes de luz ou fótons) em telegrafia e fonia. Landell de Moura patenteou, no Brasil, em 09/03/1901, sob o nr 3.279, esse seu sistema fotônico-eletrônico.

0 cientista brasileiro inovou, em relação a patente de Marconi, a prioridade na transmissão-recepção mundial da palavra, ou fonia, em emissão fotônica-eletrônica, até então sem patentes mundiais.

Marconi é o iniciador da emissão-recepção eletrônica telegráfica. Landell de Moura é o pioneiro da emissão-recepção fotônica-eletrônica em fonia, sendo o precursor da radiodifusão.

Estes dados são baseados nos estudos das patentes internacionais de Marconi e Landell de Moura. 0 cientista brasileiro assegurou os direitos internacionais da fonia, além da patente brasileira, com as de nr. 771.917, de 11/10/1904 e 775.337 e 775.846 de 21/11/1904, em Washington, E.U.A.

Marconi, no seu transmissor de centelhamento, constituído de pilha, bobina de Ruhmkorff, condensadores, oscilador de Hertz, com saída à antena e a terra, ligou um Manipulador Morse entre a pilha e o primário da bobina de Ruhmkorff. No receptor, a antena ligada ao coesor-descoesor, a pilha e o fone.

Landell de Moura, com o mesmo sistema, usou o microfone eletromecânico de sua invenção, para a comunicação verbal por centelhamento. Criou, igualmente, o microfone acústico para o seu sistema de emissão luminosa modulada, que é básico, hoje, na Fotônica.

Importando fios de cobre esmaltados ou com capa de seda para as bobinas; fabricando a maioria dos componentes dos seus aparelhos, antes de 1894; idealizando os circuitos inéditos na época e patenteando-os, Landell de Moura é o precursor, no Brasil, da indústria eletroeletrônica. Ao sistematizar a fotonicaeletrônica das comunicaçõees, tornou-se o implantador da Engenharia Eletrônica no Brasil.

Ao fazer suas transmissões, publicamente, em São Paulo, com a recepção e vice-versa do seu Assistente, Landell de Moura é o primeiro radioamador em telegrafia e fonia; o primeiro comunicador da radiodifusão com a continuação dos contatos no País e Exterior.

Como consequência das suas descobertas, a Marinha de Guerra do Brasil, logo no retorno de Landell de Moura dos Estados Unidos da América do Norte, no início de 1905, já em 19 de março de 1905, realizava experiências com a telegrafia por centelhamento, no encouraçado Aquidabã. Foram usados os aparelhos patenteados por Landell de Moura em 1901 no Brasil e 1904 nos E.U.A. A Marinha de Guerra é a pioneira, no Brasil, da radiotelegrafia permanente.

Igualmente, dentro dos mesmos princípios técnicos, a antiga Repartição Geral dos Telégrafos, já em 1910, iniciou a organização da 1a rede radiotelegráfica por centelhamento, com 8 estações, cobrindo a costa brasileira, de norte a sul. É a primeira rede radiotelegráfica em terra, sendo a pioneira da América do Sul. (N.R. - Utilizando em parte, princípios semelhantes aos das patentes de Landell de Moura, os equipamentos da Marinha e da R.G.T. eram produzidos na Inglaterra ou na Alemanha, pela Marconi ou a Telefunken.)

Sugerimos que o Ministério das Comunicações, através do DENTEL, o Ministério da Ciência e Tecnologia e a Comunidade Cientifica do Brasil, promovam estudos de alto nível sobre o significado histórico e atual das patentes do cientista Roberto Landell de Moura. Far-se-á, assim, o reconhecimento de que Landell de Moura é o primeiro cientista a emitir ondas eletromagnéticas no território brasileiro; o criador e patenteador de circuitos fotônicos-eletrônicos, inéditos na época; o inovador, na Ciência Física, com a Fotônica e a Eletrônica das Comunicações; o único brasileiro, até a sua morte, com 4 patentes inéditas. Assim, o cientista Roberto Landell de Moura poderá ser indicado para Patrono da Ciência a Tecnologia no Brasil.

Revista AN-EP - VOL. 96, nr. 6, pg. 50 (Ref. 1106/1988)