ARTIGO:

Fotografia Kirlian

AUTOR:

Vanessinha

OBS.:

http://vanessalimavanessinha.blogspot.com/2009/12/fotografia-kirlian.html

 

 

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009.

 

Fotografia Kirlian, "Kirliangrafia" ou, num termo mais moderno, bioeletrografia, é o método de fotografia descoberto pelo padre Landell de Moura em 1904. Sob a designação de "O Perianto", ele descrevia minuciosamente os efeitos eletro-luminescentes do que muitos acreditam ser a aura humana. Ele não pôde seguir adiante em sua pesquisa, parando-a em 1912, por questões doutrinárias da Igreja Católica[carece de fontes?], já que a técnica poderia revelar o que ele chamava de perianto, termo semelhante ao perispírito, usado pelos espíritas

 

Histórico

Em 1939, a técnica viria a ser conhecida, na Rússia, sob a denominação de "efeito Kirlian", em homenagem a Semyon Davidovich Kirlian, re-descobridor da mesma. O método consiste em fotografar um objeto com uma chapa fotográfica, submetida a campos elétricos de alta-voltagem e alta-frequência, porém baixa intensidade de corrente. O resultado é o aparecimento de uma aura, ou melhor, um "halo luminoso" em torno dos objetos, seja ele qual for, independente de ser orgânico ou inorgânico. A história da Kirliangrafia diz que o efeito foi re-descoberto "acidentalmente", não sendo resultado de nenhum tipo de pesquisa sistemática desenvolvida por Kirlian, que nem cientista era, e sim eletricista, porém, vários experimentos estavam sendo realizados na época, muitos dos quais eram pesquisas sobre as influências dos campos elétricos e eletromagnéticos nos seres humanos e suas possíveis aplicabilidades práticas (possivelmente militar - guerra)[carece de fontes?].

 

Desde que o assunto surgiu na antiga URSS, foram realizadas muitas pesquisas e ainda hoje não há evidências conclusivas de que o que é registrado nas fotos tenha alguma utilidade na avaliação do estado emocional e de saúde, ou no diagnóstico de doenças. No entanto, a utilização da fotografia Kirlian foi aprovada em 1999 pelo Ministério da Saúde da Federação Russa para uso como ferramenta auxiliar de diagnóstico médico, na sequência de um estudo realizado na Universidade Governamental de Medicina de São Petersburgo [1] que sugere alterações significativas no padrão observado na bioeletrografia em portadores de asma antes e após tratamento, e correlação com o estado emocional dos mesmos. Não é conhecida nenhuma publicação científica internacional deste estudo.

 

Junto com seu irmão Guilherme, foi para Roma, e matriculou-se em 22 de março de 1878 no Colégio Pio Americano e na Universidade Gregoriana.

 

Completou sua formação eclesiástica em Roma, formando-se em Teologia e foi ordenado sacerdote em 1886.

 

Quando voltou ao Brasil, substituía por muitas vezes o coadjutor do capelão do Paço Imperial, no Rio, onde manteve diálogos científicos com D. Pedro II, depois disso, serviu em uma série de cidades do interior de São Paulo.

 

Em Roma iniciou seus estudos de física e eletricidade, no Brasil, como autodidata continuou seus estudos, pois estava em São Paulo que era na época um dos grandes centros de pesquisa do mundo.

 

O Exército Brasileiro em homenagem ao insígne cientista gaúcho, concedeu em 2005 a denominação histórica de "Centro de Telemática Landell de Moura" ao 1° Centro de Telemática de Área, organização militar de telecomunicações situada na cidade de Porto Alegre.

 

Meu comentário particular é que o padre Landell de Moura foi mais um cientista ignorado na sua terra natal, aliás, assim como Alberto Santos Dumont, o padre Landell de Moura também não teve o merecido reconhecimento, como a maioria dos cientistas e inventores, se atribuí a invenção do rádio a Marconi, e a discussão continua, mas o padre Landell de Moura contribuiu em muito, quer queiram, quer não queiram.